Sobre doping, Pedro Barros compara skate a arte: 'formas de abrir a mente'

Skatista hexacampeão mundial do X-Games esteve no Prêmio Brasil Olímpico

Relacionadas

Em janeiro deste ano, Pedro Barros foi flagrado no antidoping com uma substância derivada da maconha. Na última terça-feira, o skatista hexacampeão mundial do X-Games compareceu com um vestuário diferente do usado em seu dia a dia no Prêmio Brasil Olímpico. De terno, subiu ao palco e comentou sobre a polêmica pela qual ainda não foi punido nem julgado.

Um dos indicados ao Prêmio da Galera, o catarinense comentou sobre esse novo mundo. A modalidade park, na qual Pedro é especialista, vai estar na próxima edição da Olimpíada, e o brasileiro natural de Florianópolis é uma das grandes apostas na corrida pelo ouro. 

"É completamente diferente. Estamos aqui de terno e sapato. Costumamos estar de roupa suja, com o sapato todo rasgado e, às vezes, com a roupa suja de sangue", comparou, rindo. Pedro também tratou assuntos mais sérios como a diferença entre duas modalidades diferentes: o skate como estilo de vida e o skate como esporte olímpico. 

"Para mim, o skate é uma forma de arte. É basicamente falar que músicos, artistas, desenhistas, pintores não usaram algo ilícito. Não existe. Foram formas de abrir a mente para quebrar barreiras e fazer algo completamente diferente. No skate, vai sempre existir esse lado", diz.

O filho do surfista André Barros também afirma que, no momento que decidiu participar da Olimpíadas, soube de todas as regras. "Decididos mudar nosso estilo de vida para conseguir fazer parte desse momento", conta. "Se eu tivesse que, durante quatro anos, agir como um atleta olímpico, talvez não estivesse participando", pondera.

Incluídas no calendário olímpico, skate e surfe são duas modalidades que passaram a ser controladas pela Agência Mundial Antidoping. A Wada recentemente elevou consideravelmente o nível mínimo da substância derivada da maconha: hoje, o nível é de 180 ng/mL, abaixo da quantidade encontrada no exame de Pedro Barros.

"Se eu não puder estar nessa realidade porque sou de outra realidade, azar. E, ao mesmo tempo, eu sou uma pessoa que batalha para fazer o certo. E faço o certo. Sei que não fiz o errado. O errado foi em outros aspectos nesse começo, em 2018. O caso ainda está acontecendo, não posso entrar em detalhes, mas estou com a consciência tranquila", afirmou.

 

MAIS SOBRE:

skatePrêmio Brasil OlímpicomaconhadopingPedro Barros
Comentários