Antigo chefe da Fórmula 1, Bernie Ecclestone critica fim das 'grid girls'

"Não consigo ver como uma garota de boa aparência em pé em frente a um carro de Fórmula 1 pode ser ofensivo a alguém", declarou

Relacionadas

Bernie Ecclestone foi mais um a se juntar ao debate sobre o fim das 'grid girls'. A Liberty Media, dona da Fórmula 1, resolveu acabar com o desfile de modelos antes das corridas alegando que isso não condizia com os valores da marca.

“O país nesse momento está ficando um pouco pudico. Deveria ser permitido ter grid girls porque os pilotos gostam delas, o público gosta delas e ninguém liga. Essas garotas são parte do show, parte do espetáculo”, criticou Ecclestone, em entrevista ao “The Sun”.

Barrichello entrevista Felipe Massa em estreia de novo quadro no Youtube

+ Ex-Chelsea, técnico sofre acidente e anuncia saída do Rally Dakar

+ Ator de 'Piratas do Caribe' é convidado para teste e bate carro da Fórmula-E

O antigo dono da Fórmula 1 disse não entender a polêmica em torno das grid girls. “Não consigo ver como uma garota de boa aparência em pé com o nome do piloto e o número em frente a um carro de Fórmula 1 pode ser ofensivo a alguém. Todas estão bem vestidas. Penso que pessoas como as da Rolex e Heineken (patrocinadoras da Fórmula 1) não teriam garotas que não estivessem apresentáveis”.

No primeiro GP da temporada 2018, na Austrália, já não haverá mais grid girls. 

Ecclestone teve polêmicas relativas às mulheres anteriormente. Em 2000, disse não acreditar que elas atingiriam a excelência na Fórmula 1. Em 2005, disse que "deveriam se vestir de branco, como os outros eletrodomésticos". O antigo dono da Fórmula 1 deixou a organização no início de 2017, após ser demitido pela Liberty Media.

MAIS SOBRE:

Fórmula 1Bernie Ecclestone
Comentários