Aventureiro escocês decide disputar rali com carro elétrico: 'É o futuro'

Chris Ramsey está disputando prova de Londres até Ulan-Ude, no sudeste da Rússia

Relacionadas

O aventureiro escocês Chris Ramsey, apaixonado por carros, decidiu encarar o desafio de ser o primeiro a disputar o Rali da Mongólia, exigente competição em que os pilotos dirigem de Londres a Ulan-Ude, no sudeste da Rússia, guiando um carro movido a energia elétrica.

"O nosso objetivo é mostrar para as pessoas que os veículos elétricos, que, na minha opinião são o futuro, têm a tecnologia para completar esse desafio hoje", afirmou Ramsey, em entrevista à Agência Efe, durante a parada em Astana, capital do Cazaquistão.

Após iniciar a participação do rali em Londres, em 16 de julho, e viajar até Astana, sede da Expo 2017, dedicada as energias renováveis, o aventureiro afirmou que as verdadeiras dificuldades começaram ao sair da Europa, a bordo de um Nissan Leaf. "Um dos meus desafios nessa viagem é encontrar pontos de recarga. Na Europa, temos uma infra-estrutura de recarga enorme, mas, na Turquia, Geórgia, Azerbaijão e Cazaquistão, não há. Por isso, dependemos da amabilidade e hospitalidade das pessoas para nos permitir recarregar em suas casas, estabelecimentos e restaurantes", explicou o escocês.

Após chegar ao Cazaquistão, Ramsey teve a vida facilitada, graças a acordos que fechou antes do rali, inclusive com a empresa estatal e petróleo e gás KazMunayGas, e também com o serviço postal nacional KazPost. "Temos parceiros de recarga no Cazaquistão. Paramos em várias de suas estações de serviço e instalaram pontos de recarga de veículos elétricos para nós. Também temos a KazPost como parceiro, assim, quando passamos à noite em povoados, utilizamos suas instalações para recarregar através de uma tomada normal de 220 volts", disse o aventureiro.

Ramsey é um apaixonado por carros elétricos e, em 2011, criou 'Plug In Adventures', projeto que busca promover este tipo de veículos. Antes de encarar o Rali da Mongólia, em 2012 o piloto viajou da cidade natal, Aberdeen, até as três capitais do Reino Unido, percorrendo 2.900 quilômetros em quatro dias. No ano passado, foi e voltou de Edimburgo a Monte Carlo.

O piloto acredita que os carros elétricos não são apenas o futuro, mas também o presente, um pensamento que deriva de razões ambientais e econômicas. "Os veículos elétricos têm um preço inicial mais alto do que os carros de combustível, mas os custos de uso são menores", detalhou ele, que afirma economizar cerca de US$ 1 mil (R$ 3,1 mil) com relação ao que gastava há dois anos. "A eletricidade é muito mais barata do que o combustível na maioria de países. De Londres até Astana, gastei 85 euros (R$ 315,80)", disse o escocês.

MAIS SOBRE:

VelocidadeNissan LeafRaliAutomobilismo
Comentários