#FeranoSertões #4 - Despedida de Goiás teve susto com 'roda voadora'

Objeto se soltou de veículo em movimento e atingiu outro que estava parado

Relacionadas

Mais um dia de novidades e aprendizado no Rally dos Sertões. Dessa vez, tive a oportunidade de fazer parte de uma equipe de apoio, responsável pelo abastecimento e, se necessário, resgate dos pilotos e veículos.

Viajei com o pessoal da Top Rally Team, equipe que possui um UTV e dois carros no rali. Saímos de Santa Terezinha de Goiás por volta das 7 da manhã, com bastante antecedência, visto que os veículos em questão só largariam a partir das 10 horas. Nesse horário, já estávamos posicionados no ponto de abastecimento, local estrategicamente posicionado mais ou menos no meio do circuito de hoje, na casa dos 300 km.

Chegamos cedo, mas foi bom, já que estava um sol "de rachar" e conseguimos um local com sombra. Além disso, vivenciei a situação mais perigosa até aqui. Quando um veículo de apoio de uma equipe se aproximava de onde estávamos, uma de suas rodas simplesmente se soltou no meio da estrada. Enquanto o carro começou a "se arrastar" no chão, a "roda fugitiva" bateu com tudo na parte da frente de outro veículo que estava estacionado, causando grandes danos na lataria. O barulho assustou a todos, que, ao mesmo tempo, mostravam certo alívio que o objeto não acertou uma pessoa ou um carro em movimento.

Passado o susto e vendo que ninguém se feriu, os mecânicos começaram a se preparar para abastecer o primeiro dos três veículos da equipe, que já estava para chegar. Quando o UTV chegou, fiquei surpreso que os mecânicos sequer encostaram no veículo, apenas completaram o tanque. Depois, fui entender que entr e segunda e terça-feira aconteceu a etapa conhecida como maratona, em que os veículos não podem ser ajustados. Apenas piloto e navegador podem mexer, mas sem realizar grandes serviços.

Enquanto os mecânicos abastecem, os competidores têm um período de 17 minutos para relaxarem. Eles aproveitam para se hidratar com muita água, alguma outra bebida isotônica e também para aquelas necessidades básicas, enquanto conversam com sua equipe, recebendo algumas dicas e informações sobre posicionamento de concorrentes, entre outras coisas.

Outro ponto que me chamou bastante atenção foi a interferência "externa" em alguns pontos da prova. Interferência externa que eu digo é algo como caminhões e vans transitando por trechos onde acontecem os trechos especiais, onde os veículos participantes andam em velocidade elevada, o que é proibido pela organização por motivos de segurança.

Depois que os três veículos da Top Rally passaram pelo abastecimento, partimos para Aruanã, quarta sede do Rally dos Sertões. Assim como as três cidades anteriores, o clima era de festa entre os moradores, bastante receptivos com a "caravana Sertões". Mas como o ser-humano parece que nunca está satisfeito com nada, confesso que tenho uma reclamação: a sala de imprensa, local destinado ao trabalho dos jornalistas, é extremamente distante da área dos boxes, onde ficam os pilotos, o que dificultou um pouco, mas tudo bem, já que foi superado.

Nesta quarta pela manhã, nos despedimos de Goiás e partimos para Barra do Garças, em Mato Grosso. Segundo a organização da prova, a etapa é uma das mais duras para os competidores em todo o rali. ou seja, muita emoção está por vir!

MAIS SOBRE:

VelocidadeAruanã [GO]Barra do Garças [MT]RaliRali dos SertõesAutomobilismo
Comentários