#FeranoSertões #7 - Voluntários levam atendimento médico a índios

O SAS, Saúde e Alegria no Sertões, esteve em uma comunidade em que atendeu cerca de 300 pessoas

Relacionadas

Sexta-feira movimentada no Rally dos Sertões. Logo pela manhã, deixamos Coxim, no Mato Grosso do Sul, com destino a Aquidauana, na região central do estado. Para esse dia, optei por viajar com alguns outros repórteres que iriam acompanhar um trecho da prova cronometrada e depois iriam até uma aldeia indígena, onde estava rolando o SAS, Saúde e Alegria nos Sertões.

Na parte inicial da nossa viagem, o que realmente chamou atenção foi a paisagem incrível do meio do pantanal, onde cruzamos com algumas espécies de pássaros, inclusive o belíssimo Tuiuiú, ave bem típica dessa região e também com uma criação de gado, que estava espalhada pela estrada de terra onde passaram os competidores. Confesso que foi bem engraçado passar com o carro ao lado de tantos animais, que eram conduzidos por três ou quatro criadores ao som de berrante. Por um momento, pensei que estava fazendo parte da novela "O Rei do Gado".

Depois de um longo trecho de viagem, chegamos à aldeia Limão Verde, na zona rural de Aquidauana. Lá, o impacto foi imediato com as condições bastante precárias, com esgoto à mostra e bastante lixo espalhado. Fomos, então, onde estavam as carretas do pessoal do SAS, uma iniciativa para lá de espetacular. Quando chegamos, o pessoal estava trabalhando duro no atendimento de até 300 pessoas, com serviços de ginecologista, dermatologista, oftalmologista e odontologista.

Bati um papo com Adriana Mallet, coordenadora-geral do SAS e uma das idealizadoras do projeto. "Tudo comecou como uma iniciativa de amigos. A gente viajava de carro juntos e queríamos deixar alguma marca nos lugares em que passávamos. Há cinco anos, a gente decidiu reunir voluntários para fazer atendimento médico e atividades de cultura e entretenimento para as comunidades distantes de grandes centros urbanos", disse ela, explicando que logo depois começaram a seguir o Rally dos Sertões, virando, um ano depois, o serviço de assistência social oficial do evento.

Na edição 2017, os 42 voluntários, sendo 20 médicos, já passaram por Santa Terezinha de Goiás, Alto Garças, local bastante perto de Barra do Garças e Aquidauana, onde ainda visitará outra aldeia indígena. Ao todo, eles pretendem atender quase 2 mil pessoas durante o trajeto.

Enquanto conversava com Adriana, uma imagem bastante impactante me chamou atenção. Uma senhora da aldeia que estava na cadeira de rodas esperando para ser atendida, começou a passar mal, provavelmente pelo calor e foi levada a um médico às pressas. A situação foi bem tensa, mas depois fiquei sabendo que ficou tudo bem com ela.

 

Deixamos o local com espírito renovado de ver o quanto uma atitude como essa é importante para pessoas que realmente precisam. Partimos então para o centro de Aquidauana, que esperava a caravana do Sertões com uma grande festa e um show com algumas bandas de sucesso da região. Sábado o rali chega a Bonito, seu ponto final e, entre as provas, nada está definido ainda. Muita emoção stá por vir!

MAIS SOBRE:

VelocidadeAquidauana [MS]Mato Grosso do Sul [estado]ÍndioRaliRali dos SertõesVoluntariadoAutomobilismo
Comentários