Garoto com paralisia que abraçou Hamilton conta sobre encontro com o piloto

"Cadu", como é conhecido, revela que chorou por tamanha emoção de conhecer seu ídolo na F-1

Relacionadas

Carlos Roberto Porto Campos não tira o sorriso do rosto. Ao menos desde que conheceu seu maior ídolo na Fórmula 1: Lewis Hamilton. Cadu estava em frente ao box da Mercedes, observando o piloto inglês meio de longe, quando foi surpreendido pelo pentacampeão chamando-o para entrar na área privativa.

"Eu estava olhando para ele, quando ele me chamou, eu não acreditei, mas a fisioterapeuta dele também disse para eu ir. Na hora eu comecei a chorar de emoção", relembra o menino de 10 anos que tem paralisia cerebral. Além do sorriso, Cadu também exibe seu boné da escuderia, assinado tanto por Hamilton quanto por Valtteri Bottas.

"Ali não tinha um piloto, tinha um homem muito humilde querendo realizar o sonho de uma criança. Ele pareceu ser super simples, sem pressão nenhuma, convidou o Cadu para conversar. Perguntou sobre ele, da doença, o grau dela, foi impressionante", elogia Carlos Eduardo, pai do garoto.  

Apesar de ser paulistano, o mini fã declarado de automobilismo nunca tinha pisado no autódromo de Interlagos. Conseguiu através de uma amiga o convite para ver o treino da última sexta-feira. Não imaginavam que a vista acabaria com um abraço bem apertado no pentacampeão mundial de Fórmula 1 e o convite para voltar nos outros dois dias de GP do Brasil

"Eu não desgrudava dele, queria ficar bem pertinho", admite Cadu. Na foto postada ao lado do menino, o piloto inglês fez questão de comentar sobre a troca de carinho que teve com o torcedor brasileiro. "Eu não acho que já tive um abraço tão grande de alguém", escreveu em uma parte da legenda. 

O irmão mais novo do piloto, Nicolas, tem 26 anos, corre com um carro especial por também ter paralisa cerebral, nome popular que dão a leucomalácia periventricular. "Ele me disse também que tem um irmão igual a mim. Eu não sabia, só depois que ele me contou. Eu achei super legal", comenta o garoto.

O amor pela corrida vem do seu pai, Carlos Roberto, que fez dos domingos um ritual de família. "Eu sempre gostei de corrida, assisto sempre aos domingos com meu pai, ele gosta bastante, então sempre acompanhamos juntos. A gente fica impressionado com os carros", afirma o pequeno que também conta ser fã fanático do Corinthians.

Além de Hamilton, o garotinho já realizou o sonho de tirar foto ao lado de Fernando Alonso, Sebastian Vettel, Sergio Pérez, Átila Abreu, Rubinho Barrichello e Felipe Massa. "Falta o Hülkenberg e o Räikkönen... estou louco para encontrá-los", conta. 

O que ele quer mais do que isso? "Fico torcendo pelo Hamilton. Ele me inspira muito na hora de correr. Tomara que o Hamilton ganhe!", torce. Se não for ele, que seja o rival da Ferrari. "Eu admiro muito o Vettel também", pondera.

 

MAIS SOBRE:

VelocidadeLewis HamiltonFórmula 1GP Brasil [Fórmula 1]
Comentários