Ana Paula Henkel critica militância por trans no esporte: 'Minoria barulhenta'

Para ex-jogadora de vôlei, atletas transexuais não deveriam competir no esporte feminino

Relacionadas

Ex-jogadora de vôlei e blogueira do Estadão, Ana Paula Henkel deu sua opinião sobre o caso recente que envolveu o técnico Bernardinho e a jogadora trans do Bauru, Tifanny. Para ela, o técnico tinha razão ao afirmar que Tifanny atacava como um homem e a presença de jogadoras transexuais no esporte feminino não deveria existir.

"Leio que a militância a favor de trans no esporte feminino e contra as mulheres atacou Bernardinho por ele ter dito a verdade, que Tifanny tem um ataque de homem. Minoria barulhenta que quer empurrar a todo custo que sentimentos são mais importantes que fatos e biologia. Não são", afirmou no Twitter.

Ela prosseguiu na sequência. "Num post de um perfil LGBT que ataca brutalmente Bernardinho por ter dito a verdade, a lucidez é mostrada exatamente nos comentários da própria comunidade gay que, em absoluta maioria, não concorda com homens biológicos competindo, vencendo e batendo recordes de mulheres", continuou, sem especificar qual foi o perfil ou o post.

"E assim como Rosa Parks, mulher forte e inspiradora, eu me recuso a ceder o meu lugar no esporte feminino para homens biológicos", finalizou.

Em seu blog no Estadão, Henkel defendeu Martina Navratilova, ex-tenista russa de 62 que se manifestou contra a presença de transexuais no esporte feminino. Leia aqui.

Durante jogo do Bauru contra o Rio de Janeiro de Bernardinho, o técnico foi flagrado dizendo que "um homem, é f..." após Tifanny marcar um ponto. O treinador pediu desculpas. "Me referia ao gesto técnico e ao controle físico que ela tem, comum aos jogadores do masculino e que a maior parte das jogadoras não tem. Sempre trabalhei e tentei ajudar com meu trabalho diversos jogadores e jogadoras sem qualquer tipo de preconceito", afirmou em comentário no Instagram.

 

Hoje era para ser um dia feliz para comunidade LGBTQI! Tifanny esta tendo uma bela segunda temporada de aceitação, onde a grande maioria finalmente entendeu que ela é uma mulher boa jogadora com dias bons e dias ruins como várias outras! Hoje ela e todo time do Bauru jogaram bem, algo que não aconteceu no jogo anterior, e mereceram a vitória classificatória na bola em quadra! Porém foi triste ouvir da boca de um técnico referência mundial, bicampeão olímpico, recordista em prêmios de Superliga que ela era um homem! " Um homem! É foda! " Transfóbicos e homofóbicos não vão passar sem serem apontados na nossa página! Pode ser o papa do vôlei... Vamos desmarcarar todos! Parabéns para o time feminino do Vôlei Bauru, mulheres incríveis que ganharam jogando por merecimento e sem nenhuma vantagem! #angelsvolley #angelsvolleybrazil #volei #voleibol #volley #volleyball #gayvolleyball #volleyballgays #volleygays #superligafeminina #superligadevolei #esporte #sport #sportsgay #sportgay #gaysport #gaysports #copaangels #copaangelsvolley #transfobia #direitostrans #mexeucomumamexeucomtodas #voleifeminino #direitodamulher #contraomachismo #mulheresunidas #convivertransforma #visibilidadetrans #diadavisibilidadetrans

A post shared by Angels Volley Brazil (@angelsvolley) on

MAIS SOBRE:

vôleiAna Paula do VôleiTiffanyBernardinhotransexualismo
Comentários